Notícias

Biocombustíveis começam a decolar na aviação

Chegaram hoje ao Rio de Janeiro hoje três voos movidos a biocombustível. Gol, Azul e KLM utilizaram diferentes tipos de combustíveis que agridem menos ao meio ambiente.

A Gol e a Azul realizaram hoje voos experimentais com dois tipos diferentes de biocombustível. Ambos os voos têm como destino o Aeroporto Santos Dumont no Rio de Janeiro, onde está acontecendo a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio +20. Além disso, a KLM também está testando novas alternativas de combustíveis, realizando hoje o voo mais longo com esse tipo de biocombustível no mundo, em direção ao Aeroporto do Galeão, também no Rio.

O voo da Azul, que saiu da cidade de Campinas, foi realizado em jatos desenvolvidos pela Embraer e equipados com Motores da GE. O combustível que foi usado nesse voo foi desenvolvido foi feito à base de cana-de-açúcar. O desempenho com o novo combustível nas aeronaves é equivalente aos combustíveis convencionais. A previsão de uso odos biocombustíveis na aviação comercial é de 3 a 5 anos.

Já o bioquerosene usado pela Gol no Boeing 737/800 foi produzido a partir de uma mistura de ICO (óleo de milho não comestível proveniente da produção de etanol de milho) e OGR (óleos e gorduras residuais). Essa é uma tecnologia que proveniente de uma fonte renovável, que reduz a emissão de gases poluentes na atmosfera.

Também chegou ao Rio de Janeiro hoje para a Rio +20 o voo mais longo movido a biocombustível já feito no mundo. O voo KL705, realizado pela KLM partiu hoje do aeroporto Amsterdam-Schipol, na Holanda, às 11h15 (hora local) em um Boeing 777-200, com destino ao Rio de Janeiro, especialmente para Conferência Rio+20.

O biocombustível utilizado hoje pela empresa é feito a partir do óleo de cozinha usado e atende às mesmas especificações técnicas do combustível fóssil tradicional. Com o uso desse biocombustível, ocorre grande redução nas emissões de CO2, além de diminuir o impacto sobre a biodiversidade e a produção alimentícia.

Esses são três passos importantes para a indústria da aviação se tornar mais sustentável e minimizar a agressão que ela pode causar a nosso planeta.

2 Comments

Deixar um comentário